Leituras – Marguerite Duras


 

– Queres ler o que está escrito por cima da partitura? – perguntou a senhora.

– Moderato Cantabile – disse a criança.

A senhora marcou esta resposta com uma pancada do lápis sobre o teclado. A criança ficou imóvel, a cabeça voltada para a partitura.

– E o que quer dizer moderato cantabile?

– Não sei.

Uma mulher, sentada a três metros dali, suspirou.

– Tens a certeza de não saber o que quer dizer moderato cantabile? – retomou a senhora.

A criança não respondeu. A senhora deu um grito de sufocada impotência, batendo de novo com o lápis sobre o teclado. A criança não mexeu nem uma pestana. A senhora voltou-se.

– Senhora Desbaresdes, que teimoso aqui tem – disse ela.

Anne Desbaresdes suspirou novamente.

– A quem o diz – observou ela.

A criança imóvel, olhos baixos, foi a única a lembrar-se de que a noite acabava de romper. Estremeceu.

– Disse-te da última vez, disse-te da penúltima vez, disse-te cem vezes, tens a certeza de não saber?

A criança achou melhor não responder. A senhora reconsiderou novamente o objecto que estava na sua frente. A sua fúria aumentou.

– Vai recomeçar – disse muito baixo Anne Desbaresdes.

– O que se passa – continuou a senhora -, o que se passa é que tu não queres dizer.

Anne Desbaresdes reconsiderou também a criança dos pés à cabeça, mas de forma diferente da senhora.

– Vais dizê-lo imediatamente – vociferou a senhora.

A criança não demonstrou qualquer surpresa. Continuou sem responder. Então a senhora bateu pela terceira vez no teclado, mas tanta foça que o lápis se partiu. Mesmo ao lado das mãos da criança. Estas haviam apenas despontado, eram redondas, leitosas ainda. Fechadas sobre si próprias, não se mexeram.

– É uma criança difícil – ousou dizer Anne Desbaresdes, não sem uma certa timidez.

A criança virou a cabeça para esta voz, para ela, depressa, o tempo de se assegurar da sua existência, depois retomou a sua pose de objecto diante da partitura. As mãos continuaram fechadas.

– Não quero saber se ele é difícil ou não, Senhora Desbaresdes – disse a senhora. – Difícil ou não, ele tem de obedecer.

No tempo que se seguiu a esta afirmação, o ruído do mar entrou pela janela aberta. E com ele, atenuado, o da cidade no coração da tarde desta Primavera.

– Uma última vez. Tens a certeza de não saber?

Uma vedeta passou no quadro da janela aberta. A criança virada para a partitura agitou-se levemente – apenas a mãe o soube – enquanto a vedeta lhe passava no sangue. O ronronar aveludado do motor ouviu-se em toda a cidade. Raros eram os barcos de recreio. A rosa do dia que acabava coloriu completamente o céu. Outras crianças, algures, sobre o cais, paradas, olhavam.

– De certeza, realmente, pela última vez, tens a certeza?

Ainda a vedeta passava.

 

Marguerite Duras, Moderato Cantabile

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: