Leituras – Gonçalo M. Tavares (1)


Gonçalo M Tavares028

«Não havia uma única diferença histórica entre o vento que ele podia agora perceber da janela do hospital e o vento que tocara no rosto de um imperador romano. E esta imutabilidade não era um sintoma de fraqueza. Pelo contrário a impermeabilidade à história, à mudança das condições era a grande arma da natureza e, nesse sentido, aí residia o seu perigo: a ponta que queimava. Por outro lado, se os materiais e a forma de os transformar por via dessas metodologias úteis de tortura – torção, dissolução, fusão – haviam evoluído, já as paixões humanas haviam permanecido imobilizadas. Nem um sentimento novo surgira na geração de Lenz. Existiam, ao contrário do que dizia a frase bíblica, coisas novas sob o sol, o que não existia era algo de novo sob a pele. O coração entrava nos mesmos combates e atravessava as mesmas indecisões dos antigos. Claro está que a técnica e a medicina, de que ele era um fiel representante, permitiam o prolongamento das paixões; o que para Lenz apenas significava que o ser humano agora podia odiar até mais tarde.»

Gonçalo M. Tavares, Aprender a rezar na Era da Técnica, Regresso à calma, p.43

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: